Tomie Ohtake. Fonte: Catraca Livre.

Entre formas ovais, retangulares, cruciformes, quadradas, sugerindo a idealidade de uma figura geométrica ou de algum signo, colocadas isoladamente, justapostas ou em série, são elementos que fazem parte da carreira da artista Tomie Ohtake (1913-2015).

Tomie no Ateliê da Rua da Paz, 1953/1954. Fonte: Instituto Tomie Ohtake.

Nascida em Kioto, Japão, Tomie veio para o Brasil visitar o irmão, mas acabou permanecendo no país por causa da Segunda Guerra Mundial e passou a morar no bairro da Moóca, São Paulo. Sobre o início de sua produção artística e a sua relação com o Japão e o Brasil, Tomie diz:


“Quando eu comecei a pintura já tinha quase 40 anos de idade, e mais de 15 anos morando no Brasil. Embora eu gostasse muito de desenhar, eu desenhava muito no Japão e quando comecei aqui no Brasil, já era muito evidente o meu espírito brasileiro, ou ocidental, portanto já distante da origem oriental, mas devo ter tido sempre, até hoje, influência da terra em que nasci e cresci.” (Tomie Ohtake em entrevista à revista ArtNexus, 12 dezembro 2005.)

Entre 1952 e 1954, no início de sua carreira, Tomie se atenta a figuração. Fonte: Folha Uol.

Em 1953 suas obras procuram o caminho da abstração: “as figuras dão lugar a formas e campos de cor, que se organizam quase sobre uma malha geométrica. […] a abstração permite um maior liberdade para se organizar no espaço da tela. A síntese da obra fica mais cala.” (Tomie Ohtake em entrevista a Miguel de Almeida, 29 março 2006.)

Pintura de tomie Ohtake, 1956. Foto: Tiago Queiroz/Estadão.


Em 1957 participa de sua primeira exposição no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo. Nesta exposição “apresenta um conjunto estruturado de obras, no qual é possível perceber pela primeira vez uma poética mais autoral e consolidada. Linhas, formas geométricas provindas do traçado à mão livre e áreas de cor se sobrepõem e justapõem de maneira a criar composições equilibradas: a imagem parece estar enraizada sobre esse campo que é a tela.” (Linha do tempo da artista Tomie Otake, Instituto Tomie Ohtake)

Óleo sobre tela, 101 x 101 cm, 1976. Fonte: Instituto Tomie Ohtake.

Em 1968 Tomie naturaliza-se brasileira. Foi nesse ano que explorou pela primeira vez o gravura. Com cores chapadas que se encontram na tela, aos poucos, segundo o Instituto Tomie Ohtake, percebe-se a presença de texturas e sobreposições.

Escultura do Jardim de Paulo Figueiredo Galeria de Arte. Fonte: Instituto Tomie Ohtake.

Em 1983 o Museu de Arte de São Paulo (MASP) realiza uma grande retrospectiva da artista, segundo seu instituto. Nesse mesmo ano realiza sua primeira obra pública em concreto armado para o jardim de Paulo Figueiredo Galeria de Arte, em São Paulo.


Em sua obra Tomie enfatiza a importância da arte oriental. Sobre isso diz que “essa influência se verifica na procura da síntese: poucos elementos devem dizer muita coisa”. A procura desta síntese se faz silenciosa, como a cidade em que nasceu, declara Tomie Ohtake. O diálogo entre a tradição e contemporaneidade revela múltiplas possibilidades expressadas em sua arte.

Obra icônica da artista na Avenida 23 de Maio. Cada estrutura representa uma faixa da avenida. Fonte: Carbono Galeria.

Rampa do auditório do Ibirapuera, Oscar Niemeyer, e a escultura da Tomie Ohtake. Foto: Lilian Miliauskas.

Vista da exposição retrospectiva no Instituto Tomie Ohtake, em 2012.

Última exposição individual da artista na Galeria Nara Roesler, em 2013. Fonte: Carbono Galeria.

Tomie Ohtake e seus filhos, Ricardo e Ruy Ohtake, em sua última exposição . Fonte: Folha Uol.

Referências Bibliográficas


ARRUDA, Vitoria (Coord.). Exposição retrospectiva Tomie Ohtake. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 2000, p. 65.

Exposição “Tomie Ohtake – 100 anos” desembarca em Brasília. Catraca Livre. Disponível em <catracalivre.com.br/brasilia/agenda/gratis/exposicao-tomie-ohtake-100-anos-desembarca-em-brasilia>. Acessado em 16 Fev 2015.


Instituto Tomie Ohtake. Disponível em <institutotomieohtake.org.br/tomie/tetomie.htm>. Acessado 16 Fev 2015.


LOTT, Michell. O lar da artista Tomie Ohtake. Casa Vougue. Disponível em: <casavogue.globo.com/Interiores/casas/noticia/2015/02/o-lar-da-artista-tomie-ohtake.html>. Acessado em 16 Fev 2015.

Tomie Ohtake. Carbono Galeria. Disponível em <carbonogaleria.com.br/obra/sem-titulo-225#biografia>. Acessado em 16 Fev 2015.


Tomie Ohtake. Enciclopédia, Itaú Cultural. Disponível em <enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa4437/tomie-ohtake>. Acessado em 16 Fev 2015.


Tomie Ohtake: uma artista distante de grupos e dos manifestos. Estadão. Disponível <cultura.estadao.com.br/noticias/artes,tomie-ohtake-uma-artista-distante-de-grupos-e-dos-manifestos,1633454>. Acessado em 16 Fev 2015.